CONHECIMENTO DE CRIANÇAS SOBRE FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES

Autores

  • Marilene Anastácio MULLER Enfermeira da UTI neonatal Hospital Saúde
  • Fátima Helena CECCHETTO CESUCA

Resumo

Objetivo:o estudo  teve o objetivo de verificar o conhecimento de crianças de 5ª série do Ensino Fundamental sobre fatores de risco para Doenças cardiovasculares(DCV).Métodos: trata-se de um estudo quase experimental não comparado, que contempla uma abordagem quantitativa, foi realizado em uma escola pública da Serra Gaúcha. Os dados foram coletados através de um questionário com perguntas fechadas. Resultados:os resultados apontam que neste estudo, não houve diferença significativa no conhecimento após oficinas. Verificou-se que as oficinas com escolares exigem estratégias mais convincentes, baseando-se em estratégias de prevenção, recomendando que a escola seja o foco principal. Conclusões: conclui-se que a saúde escolar é uma área que necessita de atenção dos profissionais de enfermagem, pois estes possuem uma capacidade de educar e colaborar para uma melhor qualidade de vida futura.Descritores:Infantil; Enfermagem; Fatores de Risco.

Referências

1.Giugliano R , Carneiro EC Factors associated with obesity in school children. J Pediatr. 2004;80:17-;22.
2.Rech RR HR, Mattos AP, Bergmann MLA, Costanzi CB, Alli LR. Obesidade Infantil: complicações e fatores associados. Rev Bras Ciência e Movimento. 2007;15(4):47-56.
3.Anjos LA CI, Engstrom EM, Azevedo AM. Growth and nutritional status in a probabilistic sample of schoolchildren from Rio de Janeiro. Caderno de saúde publica. 2003;19(suplemento):171-79.
4.Soar C VF, Assis MAA, Grosseman S, Luna ME. Prevalência de sobrepeso e obesidade em escolares de uma escola pública de Florianópolis, Santa Catarina. Revista Brasileira de saúde Materno Infantil. 2004;4:391-97.
5.Ronque ERV, Cyrino ES, Dórea VR, Serassuelo Junior H, Galdi EHG, Arruda M. Prevalência de sobrepeso e obesidade em escolares de alto nível socioe¬conômico em Londrina, Paraná, Brasil. Rev Nutr. 2005; 18:709-17.
6.Silva GAP , Motta MEF. Prevalência de sobrepeso e obesidade em crianças e adolescentes de diferentes condições socioeconômicas. Revista Brasileira de Materno Infantil. 2005;5:53-59.
7.Polit DF, Beck CT, Hungler BP. Fundamentos de pesquisa em enfermagem: métodos, avaliação e utilização 2004.
8.Brasil. Ministério da Saúde. Diretrizes e Normas regulamentadoras de pesquisa em seres
humanos. Resolução nº 196, de 10 de outubro de 1996.
9.Morita ABPS, Koizumi MS. Estratégias de ensino-aprendizagem na enfermagem: análise pela Escala de Coma de Glasgow. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 2009;43(3):543-50.
10.Gabriel CG,Santos MV,Vasconcelos FAG. Cantinas escolares de Florianópolis: existência e produtos comercializados após a instituição da Lei de Regulamentação. Rev Nutr. 2010;23(2):191-199.
11.Rinaldi AEM,Pereia PA, Macedo CS, Mota JF, Burini RC. Contribuições das práticas alimentares e inatividade física para o excesso de peso infantil. Revista Paulista de Pediatria. 2008;26(3):271-77.
12.Triches RM, Giugliani ER. [Obesity, eating habits and nutritional knowledge among school children]. Rev Saude Publica. 2005;39(4):541-47.
13.Mondini L, Levy RB, Saldiva SR, et al. [Overweight, obesity and associated factors in first grade schoolchildren in a city of the metropolitan region of São Paulo, Brazil]. Cad Saude Publica. 2007;23(8):1825-34.
14.Ozelame SS., Silva M. Fatores de risco para doenças cardiovasculares em adolescentes obesos de três distritos sanitários de Goiânia. Rev Pensar e Pensar. 2009;12(1):1-9.
15.Gomez LF, Parra DC, Lobelo F, et al. Television viewing and its association with overweight in Colombian children: results from the 2005 National Nutrition Survey: a cross sectional study. Int J Behav Nutr Phys Act. 2007;4:41.
16.Foley L, Maddison R, Olds T, et al. Self-report use-of-time tools for the assessment of physical activity and sedentary behaviour in young people: systematic review. Obes Rev. 2012;13(8):711-22.
17.Maddison R, Mhurchu CN, Jull A, et al. Active video games: the mediating effect of aerobic fitness on body composition. Int J Behav Nutr Phys Act. 2012;9:54.
18.Temple JL, Giacomelli AM, Kent KM, et al. Television watching increases motivated responding for food and energy intake in children. Am J Clin Nutr. 2007;85(2):355-61.
19.Rabelo LM. Fatores de risco para doença aterosclerótica na adolescência. J Pediatr. 2001;77(2):1-9.
20.Perry CL, Stone, EJ, Parcel, GS, Ellison, RC, Nader, PR, Webber, LS, Luepker RV. School-based cardiovascular health promotion: The child and adolescent trial orcardiovascular health (CATCH).JSchool Health. 1990;60(8):406-13.
21.Oliva SB, Paz AA, Souza EN. Conhecimento dos trabalhadores da Industria Metal -Mecânico sobre fatores de risco para doença coronariana. Rev de Enf UFSM. 2011;1(2):214-24.

Publicado

2015-09-04