CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO IDOSO COM DELIRIUM EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: REVISÃO INTEGRATIVA

Autores

  • Fernando RIEGEL CESUCA,Brasil
  • Diego Silveira SIQUEIRA Hospital São Lucas da PUCRS
  • Maria Aparecida Andreza LEOPOLDINO Universidade Federal do Rio Grande do Sul-UFRGS
  • Franciele Correa SCHMITZ Hospital Moinhos de Vento- HMV

Resumo

Objetivo: analisar e identificar na literatura científica quais são os cuidados de enfermagem ao idoso com delirium hiperativo, hipoativo ou misto, internados em Unidade de Terapia Intensiva. Metodologia: foi realizada uma análise integrativa na base de dados da Biblioteca Virtual de Saúde, utilizando artigos científicos, dos quais totalizaram 11 produções, que serviram como base para o estudo. Resultados: evidenciaram a relevância de se repensar no atendimento prestado pelos enfermeiros, durante a internação em Unidade de Terapia Intensiva, e definem que é imprescindível a humanização no cuidado, a comunicação com os familiares, a educação permanente, bem como a importância do papel da enfermagem para a identificação do delirium e a motivação para novas pesquisas. Conclusão: o reconhecimento deste distúrbio torna-se de grande importância para a área da enfermagem, na medida em que os profissionais da área da saúde consigam criar instrumentos para facilitar o diagnóstico dos pacientes que apresentarem este distúrbio. Para assim, pode se reduzir as taxas de morbidade, mortalidade e por consequência diminuir o período de internação.

Biografia do Autor

Diego Silveira SIQUEIRA, Hospital São Lucas da PUCRS

Enfermeiro pelo Centro Universitário Metodista- IPA. Mestrando em Nefrologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS. Pós- Graduando em Urgência, Emergência e Trauma (SEG). Enfermeiro Assistencial da Internação Pediátrica do Hospital São Lucas da PUCRS. Supervisor da Residência em Enfermagem da PUCRS. Professor do Curso de Gradução em Enfermagem FACTUM e do Cursoo Técnico em Massoterapia, Segurança do Trabalho e Enfermagem da Escola de Educação Profissional Cecilia Meireles.

Maria Aparecida Andreza LEOPOLDINO, Universidade Federal do Rio Grande do Sul-UFRGS

Enfermeira. Mestranda em Ginecologia e Obstetricia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul-UFRGS

Franciele Correa SCHMITZ, Hospital Moinhos de Vento- HMV

Enfermeira. Centro Cirúrgico do Hospital Moinhos de Vento.

Referências

1. Brunner LS, Suddarth DS. Tratado de Enfermagem: Médico-Cirúrgica. v.1, v.2. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2009.
2. Teixeira MB, Fernandes RÁQ. Diagnósticos de enfermagem identificados em idosos com distúrbio mental. Revista Brasileira de Enfermagem [serial on the Internet]. 2003 Nov-Dez [cited 2012 Mar 7]; 56: 6 [about 619-623 p.]. Available from: <http://www.enfermagem.bvs.br>
3. Pitrowsky MT, Shinotsuka CR, Soares M, Lima MASD, Salluh JIF. Importância da monitorização do delirium na unidade de terapia intensiva. Revista Brasileira de Terapia Intensiva [serial on the Internet]. 2010 [cited 2012 Mar 7]; 22:3 [about 274-279 p.]. Available from: <http://www.regional.bvsalud.org>
4. Veras R. Envelhecimento populacional contemporâneo: demandas, desafios e inovações. Revista de Saúde Pública [serial on the Internet]. 2009 [cited 2012 Oct 10]; 43:3 [about 548-554 p.]. Available from: <http://enfermagem.bvs.br
5. Luna AA, Souza WA, Ferraz VM. Avaliação de delirium em pacientes em uso de sedativos. Revista Rede de Cuidados em Saúde [serial on the Internet]. 2011 [cited 2012 Mar 7]; 5:1 [about 1-11 p.]. Available from: <http://www.regional.bvsalud.org>
6. Lôbo RR, Filho SRBS, Lima NKC, Ferriolli E, Moriguti JC. Delirium. In: Simpósio Condutas em enfermaria clínica médica de hospital de média complexidade – Parte 2. Revista Medicina (Ribeirão Preto) 43:3, p. 249-257, 2010. Available from: <http://www.fmrp.usp.br >. Acesso em: 20 abr. 2012.
7. Povinelli BMS, Dib TAA, Miethke D, Souza PMR. Delirium no paciente idoso. Moreira Jr. Editora, São Paulo, p. 27-32, 2008. Available from: <http://www.moreirajr.com.br>. Acesso em: 11 abr. 2013.
8. Barbosa FT, Cunha RM, Pinto ALCLT. Delirium pós-operatório em idosos. Revista Brasileira de Anestesiologia, 58:6, p.665-670, 2008. Available from: <http://www.scielo.br>. Acesso em: 11 abr. 2013.
9.Veiga D, Luis C, Parente D, Fernandes V, Botelho M, Santos P, et al. Delirium Pós-operatório em Pacientes Críticos: Fatores de Risco e Resultados. Revista Brasileira de Anestesiologia Vol. 62, No 4, Julho-Agosto, 2012. Available from: http://www.scielo.br/pdf/rba/v62n4/v62n4a01.pdf
10. Mori S, Kashiba KI, Silva DV, Zanei SSV, Whitaker IY. Confusion assessment method para analisar delirium em unidade de terapia intensiva: revisão de literatura. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 21:1, p. 58-64, 2009. Available from: <http://www.regional.bvsalud.org>. Acesso em: 7 abr. 2012.
11. Silva RCG, Silva AAP, Marques PAO. Análise dos registros produzidos pela equipe de saúde e da percepção dos enfermeiros sobre os sinais e sintomas de delirium. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 19, n. 1, p. 1-9, jan./fev. 2011. Available from: <http://www.eerp.usp.br>. Acesso em: 15 maio 2013.
12. Fuentes GM. Delirium: respostas pendentes. Revista Hospital de Clinicas da Universidade do Chile, v.19, p. 330-338, 2008. Disponível em: <http://www.redclinica.cl>. Acesso em: 15 maio 2013.
13. Vazquez FJ, Benchimol J, Giunta D, Cafferata C, Freixas A, Vallone M, et al. Delirium em ancianos hospitalizados seguimiento de 18 meses. Medicina (Buenos Aires), 2010; 70: 8-14.
14. Salluh JIF, Pandharipande P. Prevenção do delirium em pacientes críticos: um recomeço? Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 24:1, p. 1-3, 2012. Available from: <http://regional.bvsalud.org>. Acesso em: 11 jun. 2012.
15. Flores DG. A validade e confiabilidade das versões em português
de três ferramentas utilizadas para diagnosticar delirium em pacientes criticamente doentes. Revista Clinical Science, 66:11, p.1917-1922, 2011. Available from: <http://www.scielo.br>. Acesso em: 15 maio 2013.

Publicado

2015-09-04