UM ESTUDO SOBRE OS GANHOS EM REDE DE COOPERAÇÃO E CONSÓRCIO OPERACIONAL

Autores

  • ALEXANDRE SANTOS GARCIA CESUCA/FACULDADE INEDI

Resumo

O presente artigo teve como objetivo entender como é percebido os ganhos em uma rede de cooperação de móveis do Estado do Rio Grande do Sul, com sede na região metropolitana de Porto Alegre e o consórcio operacional de transporte de passageiros, com sede em Porto Alegre. Para dar sustentação a pesquisa foi realizado um levantamento bibliográfico a fim de conceituar as redes de cooperação, consórcio, e estratégias de rede que contribuem para aprendizagem, economia, poder de barganha e ganhos de escala. Como método foi realizado um estudo qualitativo exploratório através de entrevistas. Os resultados apresentam que a participação das empresas, na rede de cooperação conseguem ter um ganho em faturamento e a participação das empresas no consórcio ganham em economia nos custos operacionais da frota. Também é destacado que a troca de informação e a comunicação entre os associados da rede e os participantes do consórcio possui fluidez gerando confiança e cooperação entre eles.

Biografia do Autor

ALEXANDRE SANTOS GARCIA, CESUCA/FACULDADE INEDI

Mestre em Administração na Unisinos, especialista em Gestão Empresarial pelo Cesuca Faculdade Inedi e graduado em Comunicação Social Habilitação Relações Públicas pela Unisinos. Professor titular no CESUCA Faculdade Inedi, desde 2008 nos cursos de Administração, Ciências Contábeis e Comércio Exterior, sou professor convidado do MBA em Gestão Empresarial da FADERGS, 2012 e MBA em Gestão de Pessoas - CESUCA - Faculdade Inedi, 2013. Coordenador da Talentus Empresa Júnior Cesuca, desde 2009 e coordenador da central de estágios, coordenador dos cursos de extensão em In Company do CESUCA Faculdade Inedi e professor convidado na Microlins, nos Cursos de Vendas e Marketing no Varejo, Atendimento a Clientes e Operador de Telemarketing. Experiência de 21 anos, na área comercial, no varejo, turismo e na área do ensino. Sócio-diretor da Atitude 3 Desenvolvimento em Gestão, facilitador de cursos e palestras em empresas como Sesi/RS, NeoBus, Bettanin, Petenatti, Atlas Schindler, Paramount Têxtil, Ritter Alimentos, Prefeitura Municipal de Cachoeirinha e DAER/RS.

Referências

BALESTRIN A., VARGAS, L. M. & FAYARD, P. (). O efeito rede em pólos de inovação: um estudo comparativo. Revista de Administração - USP, São Paulo, v.40, n.2. abril, maio,junho, 2005.

BALESTRIN, A., & VERSCHOORE, J. A associação em redes de cooperação in?uencia os resultados de pequenas e médias empresas? Ciências Sociais Unisinos, São Leopoldo, Vol. 46, N. 1, p. 105-115, janeiro/abril, 2010.

CASAROTTO FILHO, Nelson; PIRES, Luis Henrique. Redes de pequenas e médias

GRANDORI, Anna. An organizational assessment of interfirm coordination modes.

GULATI, R., NOHRIA, N. & ZAHEER, A. Strategic Networks. Strategic Management Journal Strat. Mgmt. J., 21: 203–215, 2000.

JARILLO, J.C. Strategic Networks: Creating the bordeless organization. Ed. Butterworth-Heinemann, 1995.

KANTER, Rosabeth Moss. When giants learn cooperative strategies. Strategy & Leadership, Chicago, v.18, n.1, p.15-22, jan/fev 1990.

SEBRAE. Tendência do Mercado Brasileiro para o Setor de Móveis. Elaborado por: SEBRAE - Unidade de Acesso a Mercados – Núcleo de Inteligência de Mercado, 2009, novembro. Disponível em: http://www.biblioteca.sebrae.com.br. Acesso em: 19/12/2011.

WITTMANN, M. L., DOTTO, D. R. & WEGNER, Douglas. Redes de empresas: um estudo de redes de cooperação do Vale do Rio Pardo e Taquari no estado do Rio Grande do Sul. REDES, Santa Cruz do Sul, v. 13, n. 1, p. 160 – 180, janeiro/abril, 2008.

Arquivos adicionais

Publicado

2014-11-17