COOPETIÇÃO: ANÁLISE DESCRITIVA E EVIDÊNCIA EMPÍRICA

Autores

  • Caroline Chagas PRATES CESUCA

Resumo

Este estudo foi desenvolvido a partir de dois objetivos principais: (i) compreender como a temática da coopetição se desenvolveu e vem crescendo na área acadêmica; e (ii) explorar a internal coopetition, um tema pouco estudado dentro das pesquisas sobre coopetição. Para atingir o primeiro objetivo, desenvolveu-se uma pesquisa de natureza bibliométrica, utilizando a base de dados ISI Web of Knowledge’s Social Science Citation Index como ferramenta de busca, selecionando-se trabalhos que contivessem a palavra “coopetition” no topic. A análise descritiva dos dados buscou compreender o surgimento e difusão do tema, além de verificar as principais fontes de publicação e temáticas relacionadas à coopetição.  Para avançar nos estudos acerca da internal coopetition, realizou-se um estudo exploratório, abarcando as divergências e congruências existentes entre o departamento comercial e de produção. No que concerne a análise descritiva, foram encontrados, inicialmente, 112 trabalhos, no entanto, foram analisados 110 em função da repetição de dois deles em conferências distintas. Evidenciou-se que o tema apresenta crescimento a partir de 2004, sendo 2009 o ano com maior frequência de publicações. As fontes de publicação estão dispersas, no entanto, verificou-se grande influência das áreas de sistemas e informática. Três artigos são responsáveis por 67% das citações e com relação às principais temáticas, evidenciou-se os termos Competition, Cooperation, Management, Development e Research subjacentes à coopetição. Com relação ao estudo exploratório, foi verificado que o relacionamento entre as áreas comercial e de produção é, inicialmente, competitivo dominante e no decorrer e finalização do ciclo (mensal) cooperativo dominante, evidenciando um resultado diverso ao de pesquisas realizadas anteriormente neste campo.

Biografia do Autor

Caroline Chagas PRATES, CESUCA

Mestre em Administração pela UFRGS.

Experiência em empresas, na área de administração da produção, há 14 anos.

Professora da disciplina de Gestão de Operações II no CESUCA.

Referências

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa, Edições 70, 1977.

BENGTSSON, M., and ERIKSSON, J. Co-opetition dynamics – an outline for further inquiry. Competitiveness Review: An International Business Journal. Vol. 20 (2): 194-214, 2010.

BENGTSSON, M., and S. KOCK. “‘Coopetition’ in Business Networks—To Cooperate and Compete Simultaneously.” Industrial Marketing Management 29 (5): 411–426, 2000.

CERVO, A.R. BERVIAN, P. A. Metodologia Científica. 5ª edição. São Paulo: Prentice Hall, 2002.

CHEN, M.-J. Reconceptualizing the competition-cooperation relationship: a transparadox perspective. Journal of Management Inquiry. Vol. 17, pp. 288-304, 2008.

DAGNINO, G.B., and G. PADULA. Coopetition Strategy: A New Kind of Interfirm Dynamics for Value Creation. Paper presented at the Second European Academy of Management Annual Conference, Stockholm, May 9–11, 2002.

DAGNINO, P., CASTALDO, S., LEROY, F. and YAMI, S. Coopetition Strategy: Winning Strategies for the 21st Century, Edward Elgar, 2009.

KOTZAB, H., and C. TELLER. Value-Adding Partnerships and Co-opetition Models in the Grocery Industry. International Journal of Physical Distribution and Logistics Management 33 (3): 268–281, 2003.

LUNARDI, M. S.; CASTRO, J. M. F. C.; MONAT, A. S. Visualização dos resultados do Yahoo em nuvens de texto: uma aplicação construída a partir de web services. InfoDesign Revista Brasileira de Design da Informação, v. 5, (1): 21-35, 2008.

LUO, Y. From foreign investors to strategic insiders: Shifting parameters, prescriptions and paradigms for MNCs in China. Journal of World Business, Vol. 42 (1): 14-34, 2005.

LUO, Y. A coopetition perspective of global competition Journal of World Business, 42 (2): 129–144, 2007.

LUO, Y., SHENKAR, O.; GURNANI, H. Control-cooperation interfaces in global strategic alliances: a situational typology and strategic responses. Journal of International Business Studies, Vol. 39, 1384–1387, 2008.

MITCHELL, W., P. DUSSAUGE, and B. GARRETTE. Alliances with Competitors: How to Combine and Protect Key Resources? Paper presented at the Second European Academy of Management Annual Conference, Stockholm, May 9–11, 2002.

NALEBUFF, B.F., and BRANDENBURGER, A.M. Co-opetition. London: Harper Collins. 25 (6): 28–33, 1996.

NALEBUFF, B.J., and BRANDENBURGER, A.M. Co-opetition: Competitive and Cooperative Business Strategies for the Digital Economy. Strategy & Leadership Vol. 25 (6): 28–33, 1997.

PADULA, G. and DAGNINO, G.B. Untangling the rise of coopetition: the intrusion of competition in a cooperative game structure, International Studies of Management & Organization, Vol. 37 No. 2, pp. 32-52, 2007.

PARK, S.H., and M.V. RUSSO. When Competition Eclipses Cooperation: An Event History Analysis of Joint Venture Failure. Management Science 42 (6): 875–890, 1996.

SHAPIRO, B.P. Can marketing and manufacturing coexist? Harvard Business Review 55 (2) 104–114, 1977.

TSAI, W. Social Structure of ‘Coopetition’ Within a Multiunit Organization: Coordination, Competition, and Intraorganizational Knowledge Sharing. Organization Science 13 (2): 179–190, 2002.

WALLEY, K. Coopetition: An Introduction to the Subject and an Agenda for Research. Int. Studies of Mgt. & Org., vol. 37 (2): 11–31, 2007.

WILKINSON, I., and L. YOUNG. On Cooperating Firms, Relations and Networks. Journal of Business Research 55 (2): 123–132, 2002.

Publicado

2014-11-17