O impacto da COVID-19 no atendimento odontológico

prevenção de contaminação por aerossóis

Autores

  • Emilia Polli MENDELSKI Centro Universitário Cesuca
  • Ilda Arbex Chaves FREITAS Centro Universitário Cesuca

Resumo

A doença conceituada de COVID-19, do vírus SARS-CoV -2/humano/Huhan/XI/2019, surgiu por volta de dezembro de 2019, na China, onde observava-se pacientes com sintomas leves de resfriado até a evolução para pneumonia de etiologia desconhecida e, posteriormente, apresentando repercussões específicas circulatória, cardiológica e neurológica. A contaminação da COVID-19 se dá através da exposição por aerossóis, respingos e partículas disseminantes de maneira direta como tosse e espirro, mas também de forma indireta. O atendimento odontológico é considerado de elevado risco para contaminação caracterizado pelo contato direto com a saliva do indivíduo, assim como o uso de instrumentos e equipamentos que originam aerossóis. Diversos protocolos têm surgido com o intuito de ratificar a importância do uso do Equipamento de Proteção Individual (EPI) e evitar a contaminação cruzada durante os procedimentos de rotina, ações que visam a prevenção, redução e eliminação de fatores de risco devendo ser realizados antes, durante e após os atendimentos. Logo, compreende-se da importância do cirurgião dentista e da equipe odontológica em fortalecer seu conhecimento teórico acerca do tema, promovendo ações preventivas, qualificando a assistência prestada nos atendimentos e identificando possíveis complicações que o paciente possa desenvolver se o atendimento for realizado de maneira superficial e descuidada. O problema estudado da equipe odontológica e pacientes expostos a agentes infecciosos aumentando o risco de contrair doenças como a SARS, assim como objetivo e método deste estudo a revisão de uma execução eficaz da prevenção de contaminação por aerossóis no atendimento odontológico, inteirando orientações relacionadas ao mecanismo de segurança para prevenção da COVID-19. Por conseguinte, apresenta-se a descrição sucinta dos mecanismos recomendados para realizar os atendimentos odontológicos com o máximo de segurança desejável monitorando, prevenindo doenças e contribuindo para uma menor incidência de casos de pacientes com danos secundários. Diante do exposto deve-se salientar que os cuidados devam ser redobrados aos profissionais da saúde, dentre estes, o cirurgião-dentista foi reconhecido como sendo de maior risco devido à própria natureza do trabalho, com o contato próximo ao paciente e na realização de procedimentos de ampla produção de aerossóis. 

Downloads

Publicado

2021-12-03