2. PRESENÇA DO ACOMPANHANTE DE GESTANTES NAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE

CONTEXTUALIZANDO A REALIDADE BRASILEIRA

  • Paula Kirschke SANTOS UFMG /UFRGS

Resumo

OBJETIVO: Essa pesquisa visou caracterizar a presença do acompanhante da gestante no espaço institucional e conhecer a adesão à lei nesse cenário. METODOLOGIA: trata-se de uma revisão integrativa que buscou responder às seguintes questões: “Como se caracteriza a participação do acompanhante de gestantes em instituições de saúde com a implantação da Lei nº 11.108/2005? Qual a adesão das instituições de saúde à Lei nº 11.108/2005?”, pesquisa de artigos de periódicos indexados em bases de dados eletrônicos (SCIELO, BVS, LILACs e BDENF), no período de 2000 a 2014. RESULTADOS: Foram consideradas relevantes em relação à temática deste estudo 12 artigos, identificou-se que apesar das instituições demonstrarem uma abertura para aceitar a presença do acompanhante, essa prática ainda é vista como uma questão complexa que envolve aspectos relacionados às condições físicas ambientais das instituições de saúde, os artigos, apontam para a necessidade de aprofundar discussões e reflexões sobre o tema, com vistas às mudanças na prática obstétrica. CONSIDERAÇÕES FINAIS: É notório que há um longo caminho a percorrer, que apesar da vigência da Lei n. 11.108, algumas instituições de saúde não se submetem as suas normatizações, demonstrando resistência quanto à presença do acompanhante, subsidiada pela falta de conhecimento das gestantes.

Referências

1. Furtado LM et al. Percepções do acompanhante acerca da experiência e dos aspectos organizacionais relacionados à sua permanência no centro obstétrico. Florianópolis. Florianópolis (SC): Universidade Federal de Santa Catarina, 2011.
2. Dodou H et al. A contribuição do acompanhante para a humanização do parto e nascimento: percepções de puérperas. Escola Anna Nery vol.18 no. 2 Rio de Janeiro, 2014.
3. Diniz CS et al. Implementação da presença de acompanhantes durante a internação para o parto: dados da pesquisa nacional Nascer no Brasil. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 30, sup, p. s140-s153, 2014.
4. Frutuoso LD, Bruggemann OM. Conhecimento sobre a Lei 11.108/2005 e a experiência dos acompanhantes junto à mulher no centro obstétrico. Texto contexto - enfermagem, vol.22, n.4, pp. 909-917, 2013.
5. Junior P, Carvalho I, Macedo J. Acompanhantes no processo de nascimento: benefícios reconhecidos pelos enfermeiros. Revista ciências da saúde. 2013.
6. Santos M, Carneiro S, Carvalho S et al. Percepção da equipe de saúde sobre a presença do acompanhante no processo parturitivo. Revista da rede de enfermagem do Nordeste, 2012.
7. Bastos A, Progiante D, Barbosa M. As práticas humanizadas desenvolvidas por enfermeiras obstétricas na assistência ao parto hospitalar. Revista Eletrônica de Enfermagem, 2010.
8. Bruggemann OM, Oliveira ME et al. Motivos que levam os serviços de saúde a não permitirem acompanhante de parto: Discursos de enfermeiros. Texto contexto enfermagem. vol.23 no.2 Florianópolis, 2014.
9. Longo CSM, Andrus LMS, Barbosa MA. Participação do acompanhante na humanização do parto e sua relação com a equipe de saúde. Revista Eletrônica de Enfermagem, 2010.
10. Figueiredo M, Oliveira D, Vieira N et al. Possíveis indicadores da assistência obstétrica a parturiente em uma maternidade escola. Cogitate Enfermagem, 2013.
11. Gonzales A, Fernandes E, Silva E, et al. A percepção do acompanhante no processo do nascimento. Cogitare Enfermagem. V.17, n.2, 2012.
12. Nascimento NM et al.Tecnologias não invasivas de cuidado no parto realizadas por enfermeiras: a percepção de mulheres. Escola Anna Nery [online]. vol.14, n.3, pp, 2010.
13. Bruggemann OM, Oliveira ME, Martins E et al. A inserção do acompanhante de parto nos serviços públicos de saúde de Santa Catarina, Brasil. Escola Anna Nery vol.17 no.3 Rio de Janeiro, 2013.
Publicado
2018-02-08
Como Citar
SANTOS, Paula Kirschke. 2. PRESENÇA DO ACOMPANHANTE DE GESTANTES NAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE. REVISTA CUIDADO EM ENFERMAGEM-CESUCA - ISSN 2447-2913, [S.l.], v. 4, n. 5, p. 14-25, fev. 2018. ISSN 2447-2913. Disponível em: <http://ojs.cesuca.edu.br/index.php/revistaenfermagem/article/view/1324>. Acesso em: 22 maio 2018.