PERSPECTIVAS E NECESSIDADES DO FAMILIAR FRENTE AO DIAGNÓSTICO DE CÂNCER NA CRIANÇA

  • Dayane de Aguiar CICOLELLA CESUCA
  • Daphne Leite RUDOLPH
  • Karina Amadori STROSCHEIN

Resumo

Objetivo: descrever como pais ou cuidadores entendem e percebem o processo de adoecimento da criança diagnosticada com câncer. Método: estudo qualitativo de caráter descritivo exploratório realizado entre março e julho de 2016 em um hospital filantrópico de grande porte, referência em cuidados oncológicos pediátricos no estado do Rio Grande do Sul e aprovado em Comitê de Ética em Pesquisa sob parecer consubstanciado, CAAE 52021115.2.0000.5683. Para a coleta de dados foram realizadas entrevistas individuais, com seis participantes, gravadas em equipamento de áudio e posteriormente transcritas para facilitar a análise. As entrevistas transcritas possibilitaram uma leitura detalhada dos dados encontrados e análise dos resultados seguiu os critérios da análise de conteúdo. Resultados: as análises permitiram a organização de quatro categorias: Sentimentos de desespero e negação; Família e os cuidados necessários à criança; Fragilidades e necessidades de familiares e Medo, religiosidade e formas de enfrentamento. Considerações Finais:  a pesquisa permitiu perceber que os entrevistados apresentaram sentimentos de aflição aangústia e incertezas com relação à doença dos filhos, permitindo a criação de mitos em relação à doença na criança.

Referências

1. FARIA DB, CARDOSO CL. Aspectos psicossociais de acompanhantes cuidadores de
crianças com câncer : stress e enfrentamento. Estud. psicol. V.27(1): 13-20, 2010.
2. AVANCI BS, CAROLINDO FM, GÓES FGB, Et al. Cuidados paliativos à criança oncológica
na situação de viver e morrer: a ótica do cuidar em enfermagem. Rev Escola Anna
Nery de Enfermagem. V.13(4): 708-716, 2009.
3. SILVA M, MOREIRA MC. Sistematização da assistência de enfermagem em cuidados
paliativos na oncologia: visão dos enfermeiros. Acta Paul Enfermagem. V.24(2): 172-
178, 2011.
4. TAKAMUTO EE. Tumor de Wilms: características clinicas e cirúrgicas [dissertação].
Porto Alegre (POA): Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre; 2006.
5. BRASIL. Ministério da saúde. Instituto Nacional do Câncer. Câncer infantil. Rio de
Janeiro; 2016. [Acesso em: 20 jun 2016]. Disponível em:
http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/tiposdecancer/site/home/infantil
6. BARDIN L. Análise de Conteúdo.6. ed. Lisboa: Edições 70; 2011.
7. DUARTE MLC, ZANINI LN, NEDEL MNB. O Cotidiano dos pais de crianças com câncer e
hospitalizadas. Rev. Gaúcha Enferm. (Online). V.33(3): 111-118, 2012.
8. ALMEIDA AB. Experiência Subjetiva de sofrimento na doença e sintomatologia
psicopatológica em doentes oncológicos [dissertação]. Portugal (Vila Real).
Universidade de Trás-Os-Montes e Alto Douro, Vila Real; 2015.
9. SILVA TP, LEITE JL, SANTOS NLP, SILVA IR, Et al. Cuidados de enfermagem à criança
com câncer: uma revisão integrativa da literatura. Rev Enferm UFSM. V. 3(1): 68-78.
2013.
10. BOUSSO R, SERAFIM T, MIDKO M. Histórias de vida de familiares de crianças com
doenças graves: relação entre religião, doença e morte; Rev. Latino-Am.
Enfermagem. V.18(2): 13-18, 2010.
11. FORNAZARI S, FERREIRA R. Religiosidade-Espiritualidade em Pacientes Oncológicos:
Qualidade de vida e saúde. Psic.: Teor. e Pesq. V.26(2): 265-272, 2010.
Publicado
2017-08-31
Como Citar
CICOLELLA, Dayane de Aguiar; RUDOLPH, Daphne Leite; STROSCHEIN, Karina Amadori. PERSPECTIVAS E NECESSIDADES DO FAMILIAR FRENTE AO DIAGNÓSTICO DE CÂNCER NA CRIANÇA. REVISTA CUIDADO EM ENFERMAGEM-CESUCA - ISSN 2447-2913, [S.l.], v. 3, n. 4, p. 66-77, ago. 2017. ISSN 2447-2913. Disponível em: <http://ojs.cesuca.edu.br/index.php/revistaenfermagem/article/view/1309>. Acesso em: 17 out. 2017.