3. PERFIL DOS ÓBITOS DE NEONATOS EM 2014, EM CACHOEIRINHA, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL

  • Virgínia Petrini MASZLOCK UFRGS
  • Gisele Cristina TERTULIANO Professora do Curso de Graduação em Enfermagem do Centro de Ensino Superior de Cachoeirinha (CESUCA), Cachoeirinha, RS, Brasil. Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde de Cachoeirinha, RS, Brasil.
  • Inei LOEBLEIN Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde de Cachoeirinha, RS, Brasil.

Resumo

Objetivo: Estabelecer o perfil de óbitos infantis de Cachoeirinha e estudar a mortalidade neonatal, suas causas e variáveis associadas. Métodos: Análise dos dados municipais retirados do SINASC, SIM e TABNET.  Resultados: Entre 1º de janeiro de 2014 e 31 de dezembro de 2014 ocorreram 26 óbitos de crianças com menos de um ano de idade no município. Destes óbitos, destacam-se os casos de neonatos precoces, neonatos tardios e pós-neonatos, com onze, sete e oito ocorrências, respectivamente. As principais causas de óbito foram afecções originadas no período perinatal (11 casos) e as malformações congênitas, deformidades e anomalias cromossômicas associadas à prematuridade (também 11 casos). Conclusões: Os resultados servirão de base para o enfrentamento da mortalidade neonatal subsidiando o planejamento das ações dos serviços de saúde e favorecendo medidas que busquem reduzir estes eventos.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##
Graduação em Farmácia e Bioquímica/UFRGS, 2009. Especialização em Saúde Pública/UNINTER, 2013.Coordenação da Assitência Farmacêutica em Cachoeirinha/RS, 2011 a 2013. Vigilância Sanitária Municipal de Cachoeirinha/RS, 2013 até o presente. Cursando mestrado em Assistência Farmacêutica, PPGASFAR/UFRGS.
##submission.authorWithAffiliation##
Mestre em Saúde Coletiva. Professora do Curso de Graduação em Enfermagem do Centro de Ensino Superior de Cachoeirinha (CESUCA), Cachoeirinha, RS, Brasil. Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde de Cachoeirinha, RS, Brasil.
##submission.authorWithAffiliation##
Enfermeira. Especialista em Saúde Pública e Pneumologia Sanitária, Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde de Cachoeirinha, RS, Brasil. 

Referências

1. Araújo BF de, Bozzetti MC, Tanaka ACA. Mortalidade neonatal precoce no município de Caxias do Sul : um estudo de coorte Early. J Pediatr (Rio J). 2000;76:200–6.
2. No Title [Internet]. Secretaria Estadual da Saúde. Dados e Estatísticas. 2013 [acesso em 22 mai 2016]. Disponível em: http://www.saude.rs.gov.br/lista/587/2012_-_Mortalidade_infantil
3. Rede Interagencial de Informação para a Saúde. Indicadores Básicos para a Saúde no Brasil: conceitos e aplicações. [S.1.]: [s.n.], 2008.
4. Rio Grande do sul. Plano Estadual de Saúde: 2012/2015. Grup Trab Planejamento, Monit e Avaliação da Gestão [Internet]. 2015;1–250. Disponível em: http://www.saude.rs.gov.br/upload/1382374302_PES 2012-2015 FINAL.pdf
5. Goldenberg RL, McClure EM, Belizán JM. Commentary: reducing the world’s stillbirths. BMC Pregnancy Childbirth [Internet]. 2009;9(1):1–4. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1186/1471-2393-9-S1-S1
6. Goldenberg RL, McClure EM. Maternal mortality. Am J Obstet Gynecol [Internet]. Elsevier; 2011 Sep 13;205(4):293–5. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1016/j.ajog.2011.07.045
7. Silva LV, Paim J, Costa MCN. Desigualdades na mortalidade, espaço e estratos sociais. Rev Saude Publica. 1999;33(2):187–97.
8. Soares ES, Menezes GM de S. Fatores associados à mortalidade neonatal precoce: análise de situação no nível local. Epidemiol e Serviços Saúde [Internet]. 2010;19(1):51–60. Disponível em: http://scielo.iec.pa.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-49742010000100007&lng=pt&nrm=isso
9. Granzotto JA, Fonseca SS, Lindemann FL. Fatores relacionados com a mortalidade neonatal em uma unidade de terapia intensiva neonatal na região sul do Brasil. Revista da AMRIGS. 2012; 56(1): 57-62.
10. Malta DC, Duarte EC, Almeida MF, Dias MAS, Morais Neto OL, Moura L, Ferraz W, Souza MFM. Lista de causas de mortes evidtáveis por intervenções do Sistema Único de Saúde do Brasil. Epidemiol. Serv. Saúde, 16(4): 233-244, out-dez, 2007.
11. Gaiva MAM, Fujimori E, Sato APS. Mortalidade neonatal em crianças com baixo peso ao nascer. Rev. esc. enferm. USP. 2014; 48(5): 778-786.
12. Horovitz DDG, Llerena Jr. JC, Mattos RA de. Atenção aos defeitos congênitos no Brasil: panorama atual. Cadernos de Saúde Pública. Scielo; 2005: 1055–64.
13. Santos R da S, Dias IMV. Refletindo sobre a malformação congênita. Revista Brasileira de Enfermagem. Scielo; 2005: 592–6.
14. Melo WA, Melo ZRC, Uchimura TT, Marcon SS. Anomalias congênitas: fatores associados à idade materna em município sul brasileiro, 2000 a 2007. Rev Eletrônica Enferm. 2010;12(1): 73–82.
15. Duarte JLMB, Mendonça GAS. Fatores associados à morte neonatal em recém-nascidos de muito baixo peso em quatro maternidades no Município do Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saúde Pública. 2005;21(1): 181–91.
16. Santos IS, Matijasevich A, Gorgot LRMR, Valle NCJ, Menezes AM. Óbitos infantis evitáveis nas coortes de nascimentos de Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil, de 1993 e 2004. Cad. Saúde Pública. 2014; 30(11): 2331-2343.
Publicado
2018-02-08
Como Citar
MASZLOCK, Virgínia Petrini; TERTULIANO, Gisele Cristina; LOEBLEIN, Inei. 3. PERFIL DOS ÓBITOS DE NEONATOS EM 2014, EM CACHOEIRINHA, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL. REVISTA CUIDADO EM ENFERMAGEM-CESUCA - ISSN 2447-2913, [S.l.], v. 4, n. 5, p. 26-37, fev. 2018. ISSN 2447-2913. Disponível em: <http://ojs.cesuca.edu.br/index.php/revistaenfermagem/article/view/1293>. Acesso em: 19 ago. 2018.