O ACOMPANHANTE NO CONTEXTO HOSPITALAR

ARTIGO DE REVISÃO

Resumo

Objetivo: Tal estudo objetiva descrever o acompanhante em diversas repercussões do mesmo no contexto hospitalar, juntamente do hospitalizado e equipe de saúde. Métodos: A metodologia aplicada foi uma pesquisa bibliográfica, que pretendeu provocar o pensamento científico a cerca de uma problematização observada no dia a dia no contexto hospitalar. Foi feita uma análise crítica a respeito do acompanhante e sua permanência no ambiente hospitalar. Os critérios de inclusão foram artigos em português, de 2009 a 2015, que tinham como tema principal acompanhantes de pacientes. Considerações Finais: O acompanhante mantém uma postura correta e positiva ao bom relacionamento. A equipe de enfermagem consegue manter esse vínculo benéfico ao desenvolvimento de suas funções e harmonia aos cuidados realizados. A linha de cuidados deve ser individual e singular, mas sempre visando à integralidade humana, de modo que o envolva ao bem estar, a qualidade de vida e à saúde, incluindo o acompanhante e/ou familiar neste ambiente. Compreende a necessidade de considerar formas de cuidar, crenças, valores e recursos para fornecer o cuidado de qualidade e humanizado.

Referências

BRASIL. Lei 8.080/1990 - Constituição Federal. [acesso em 2016 jun 09] Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8080.htm

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Política Nacional de Humanização. 2013. [acesso em 2016 jun 09] Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_humanizacao_pnh_folheto.pdf

Barros AJS, Lehfeld NAS. Fundamentos da Metodologia Científica. 3. ed. São Paulo: Editora Cidadã - Pearson Education; 2007.

BRASIL. Lei 8.080/1990 - Constituição Federal. [acesso em 2016 jun 09] Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8080.htm

Szareski C, Beuter M, Brondani CM. O familiar acompanhante no cuidado ao adulto hospitalizado na visão da equipe de enfermagem. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, 31:715-722, dez. 2010. [acesso em 2016 jun 20] Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-14472010000400015

Carvalho C, Tertuliano GC. Acolhimento: prática em uma unidade de saúde da família no Município de Cachoeirinha/RS – um relato de experiência. Cachoeirinha, nov. 2015. ANAIS DA IX MOSTRA CIENTÍFICA DO CESUCA.[acesso em 2016 jun 08] Disponível em: http://ojs.cesuca.edu.br/index.php/mostrac

Souza LD, Gomes GC, Santos CP. Percepções da equipe de enfermagem acerca da importância da presença do familiar/acompanhante no hospital. Revista de Enfermagem UERJ, Rio de Janeiro, 3: 394-399, set/out. 2009. [acesso em 2016 jun 17] Disponível em: http://www.facenf.uerj.br/v17n3/v17n3a17.pdf

Beuter M et al. Feelings of family companions of adults regarding hospitalization process. Escola Anna Nery. 16:131-140, jan. 2012. [acesso em 2016 jun 20] Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-81452012000100018&script=sci_abstract
Publicado
2017-08-31
Como Citar
GONÇALVES, Bianca Clasen; TEIXEIRA, Allessandra Przyczynski; MOURA, Eliane Rosa Pereira. O ACOMPANHANTE NO CONTEXTO HOSPITALAR. REVISTA CUIDADO EM ENFERMAGEM-CESUCA - ISSN 2447-2913, [S.l.], v. 3, n. 4, p. 1-7, ago. 2017. ISSN 2447-2913. Disponível em: <http://ojs.cesuca.edu.br/index.php/revistaenfermagem/article/view/1169>. Acesso em: 17 out. 2017.