VIGILÂNCIA DE EVENTOS ADVERSOS PÓS VACINAÇÃO NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRINHA, EM 2014

  • Victoria Dutra BORBA Cesuca Faculdade Inedi

Resumo

Objetivo: descrever a frequência dos eventos adversos pós-vacinação (EAPV) no município de Cachoeirinha, no estado do Rio Grande do Sul, Brasil, 2014. Métodos: estudo descritivo, com dados das fichas de notificação de eventos adversos pós vacinação obtidos na Secretaria Municipal de Saúde de Cachoeirinha/RS. Resultados: entre as 42 fichas analisadas, foram registrados 87 eventos adversos cuja frequência maior foi entre os indivíduos que receberam vacinas bacterianas (73% n=64) comparativamente aos de vacinas virais (26,43% n=23); os EAPV mais frequentes foram a febre maior que 39,5º (31,25%) e as reações locais (14,06%). Conclusão: os resultados apresentados aproximaram-se do esperado quando comparados a outros estudos ou aos dados do Ministério da Saúde.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de Imunizações - 30 anos – Brasília: Ministério da Saúde, 2003.

DATASUS [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde. Disponível em: http://pni.datasus.gov.br/index.asp. [Acesso em Janeiro de 2016]

Bisetto Lúcia Helena Linheira, Cubas Marcia Regina, Malucelli Andreia. A prática da enfermagem frente aos eventos adversos pós-vacinação. Rev. esc. enferm. USP [Internet]. 2011 Oct [Acesso em Janeiro de 2016] ; 45( 5 ): 1128-1134.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Depar-tamento de Doenças Transmissíveis. Manual de Vigilância Epidemiológica de Eventos Adversos Pós-Vacinação – 3 ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

Moura Ana Débora Assis, Costa Aldisiane Sousa da, Braga Ana Vilma Leite, Bastos Elaine Cristina da Silva Alves, Lima Guldemar Gomes de, Cha-ves Emília Soares. Vigilância de eventos adversos pós-vacinação no estado do Ceará, em 2011. Epidemiol. Serv. Saúde [Internet]. 2015 Mar [Acesso em Janeiro de 2016]; 24( 1 ): 155-160.

Brasil. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Centro Nacional de Epidemiologia. Coordenação de Imunização de Auto-suficiência em Imunobiológicos . Brasília, 1998.

Prymula R, Siegrist CA, Chlibek R, Zemlickova H, Vackova M, et al. (2009) Effect of prophylactic paracetamol administration at time of vaccination on febrile reactions and antibody responses in children: two open-label, randomised controlled trials. Lancet 374: 1339–1350. doi: 10.1016/s0140-6736(09)61208-3

Conselho Regional de Enfermagem do Estado de São Paulo. Rede Brasileira de Enfermagem e Segurança do Paciente-Polo São Paulo. 10 passos para a segurança do paciente. São Paulo, 2010. [Acesso em: Janeiro de 2016]. Disponível em: http://www.corensp.gov.br/sites/default/files/10_passos_seguranca_paciente_0.pdf

Tertuliano GC, Maszlock VP. Segurança do Paciente em Sala de Vacinas. Revista Cuidado em Enfermagem – Cesuca – v.2, n. 2, p. 5-14, janeiro/2016. Cachoeirinha/RS.
Publicado
2017-08-31
Como Citar
BORBA, Victoria Dutra. VIGILÂNCIA DE EVENTOS ADVERSOS PÓS VACINAÇÃO NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRINHA, EM 2014. REVISTA CUIDADO EM ENFERMAGEM-CESUCA - ISSN 2447-2913, [S.l.], v. 3, n. 4, p. 28-38, ago. 2017. ISSN 2447-2913. Disponível em: <http://ojs.cesuca.edu.br/index.php/revistaenfermagem/article/view/1126>. Acesso em: 17 out. 2017.