CURRÍCULO INOVADOR

DESAFIOS E ESTRATÉGIAS FRENTE ÀS RECOMENDAÇÕES DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS NA FORMAÇÃO DO ENFERMEIRO CONTEMPORÂNEO

  • Christina Souto Cavalcante COSTA FESGO- Brasil
  • Sue Christine SIQUEIRA Docente, Coordenadora Enfermagem da Faculdade Estácio de Sá de Goiás

Resumo

É uma atividade em que hoje o profissional enfermeiro deve se preocupar, visto que é um fator preponderante para a sua formação.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##
PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE - ENFERMAGEM.DOCENTES E GRADUADOS EM ENFERMAGEM PELA FACULDADE eSTÁCIO DE SÁ DE GOIÁS 
##submission.authorWithAffiliation##
DOCENTE COORDENADORA DA FACULDADE ESTACIO DE SÁ DE GOIÁS

Referências

SILVA MJ, et al. Formação em enfermagem: Interface entre as diretrizes curriculares e os conteúdos da atenção básica. Revista Brasileira de Enfermagem v. 64, n.2, p. 315-321, 2011.

CORBELLINI Vl, et al. Nexos e desafios na formação profissional do enfermeiro. Revista Brasileira de Enfermagem v. 63, n. 4, p. 555-560, 2010.

REBOUÇAS LCC. Dez anos das diretrizes curriculares nacionais em enfermagem: Avanços desafios e expectativas na Bahia [tese]. Salvador (BA): Escola de Enfermagem, Universidade Federal da Bahia; 2014.

Ministério da Educação (BRASIL). Resolução CNE/CES nº 3, de 7/11/2001. Institui Diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em enfermagem. Diário Oficial da União 09 nov. 2001; Seção 1.

TEIXEIRA E, et al. Panorama dos cursos de graduação em enfermagem no Brasil na década das diretrizes curriculares nacionais. Revista Brasileira de Enfermagem v. 66 (esp), p.102-110, 2013.

GRILLO M JC, et al.A formação do enfermeiro e a necessidade de consolidação do sistema nacional de saúde. Revista Enfermagem e Atenção a Saúde v.2, n.2(esp.), p. 57-68, 2013.

VASCONCELOS CM, et al. Avaliação no ensino de graduação em enfermagem na América Latina: Uma revisão integrativa. Revista Eletrônica Trimestral de Enfermería n.23, p.118-139, 2011.

FERNANDES JD, et al. Diretrizes curriculares e estratégias para implantação de uma nova proposta pedagógica v.39, n. 4, p. 443-449, 2005.

FERNANDES JD, REBOUÇAS LC. Uma década de diretrizes curriculares nacionais para graduação em enfermagem: Avanços e desafios. Revista Brasileira de Enfermagem v. 66 (esp.), p.95-101, 2013.

BATISTA KBC, GONÇALVES OSJ. Formação dos profissionais de saúde para o SUS: Significado e cuidado. Saúde e Sociedade v.20, n. 4, p. 884-889, 2011.

PIRES AS, et al. A formação da enfermagem na graduação: Uma revisão integrativa de literatura. Revista Enfermagem UERJ v.22, n.5, p.705-711, 2014.

SOBRAL FR, CAMPOS CJG. Utilização de metodologia ativa no ensino e assistência de enfermagem na produção nacional: Revisão integrativa. Revista Escola Enfermagem USP v.46 n.1 p.208-218, 2012.

SILVA RPG, RODRIGUES RM. Mudança curricular: Desafio de um curso de graduação em enfermagem. Revista Brasileira de Enfermagem v. 61, n. 2, p. 233-238, 2008.

RODRIGUES LMS, TAVARES CMM. Estágio supervisionado de enfermagem na atenção básica: O planejamento dialógico como dispositivo para o processo ensino-aprendizagem. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste v.13, n.5, p.1075-1083, 2012.
Publicado
2017-08-31
Como Citar
COSTA, Christina Souto Cavalcante; SIQUEIRA, Sue Christine. CURRÍCULO INOVADOR. REVISTA CUIDADO EM ENFERMAGEM-CESUCA - ISSN 2447-2913, [S.l.], v. 3, n. 4, p. 17-27, ago. 2017. ISSN 2447-2913. Disponível em: <http://ojs.cesuca.edu.br/index.php/revistaenfermagem/article/view/1076>. Acesso em: 14 dez. 2017.