TOXOPLASMOSE ALIMENTAR: DIFERENTES AGRAVOS E DIAGNÓSTICOS

Resumo

A Toxoplasmose é uma zoonose causada pelo protozoário Toxoplasma gondii, que ao infectar o ser humano ocasiona diversos agravos, comprometendo inclusive a saúde de gestantes com possibilidades de sequelas nos fetos e até natimortos. Essa patologia abrange várias regiões do Brasil, o que se deve a facilidade de contaminação através da ingestão de alimentos com as formas de oocistos maduros, cistos com bradizoítos ou mesmo taquizoítos livres, além da infecção transplacentária, ou mesmo por transfusão sanguínea e doação de órgãos. A incidência maior é decorrente da falta de esclarecimento frente à população, higiene precária em estabelecimentos de produção alimentícia e a insuficiente aplicação de modelos de prevenção. A prevenção é feita através da higienização, do cozimento e do congelamento de alimentos para que não ocorra a ingestão das formas infectantes. Outro método utilizado são as Boas Práticas de Fabricação que aplicadas em estabelecimentos que manipulam ou produzem alimentos, previnem a comercialização de alimentos contaminados. OBJETIVO: Verificar a ocorrência de toxoplasmose como doença veiculada por alimento (DVA). METODOLOGIA: Revisão sistemática de artigos científicos publicados em revistas científicas de livre circulação na web. CONSIDERAÇÕES FINAIS: A toxoplasmose é uma parasitose com sequelas de gravidade e que não é devidamente diagnosticada no atendimento primário. Os métodos de diagnósticos mais utilizados para confirmação da Toxoplasmose são os imunológicos. Em gestantes há necessidade de confirmação  que na maioria dos casos estudados não foram executadas.

##submission.authorBiography##

##submission.authorWithAffiliation##
Professora de cursos de graduação da área da saúde, incluindo as disciplinas de Embriologia e Histologia, tecnologia de alimentos e biologia celular

Referências

1. NEVES, D.P. Parasitologia Humana. São Paulo: Editora Atheneu. 11ª ed. Capítulo 18. p.163-172. 2005.
2. MANCINI, D. T.; ASSIS, L. C.; RAMALHO, T. C.; CUNHA, E. F.; FRANCA, T. C. C. Toxoplasmose: Perspectivas no Estudo de Novos Alvos Terapêuticos. Revista Virtual de Química, 4 (4): 434-455, agosto. 2012.
3. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Doenças Infecciosas e Parasitarias: Guia de Bolso 8ª Ed. Rev. – Brasília: Ministério da Saúde, p. 404 – 407. 2010.
4. CERVO, A. L. Metodologia Científica. 6 ª edição. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.
5. CIMERMAM, B. CIMERMAM, S.; Parasitologia Humana e Seus Fundamentos Gerais. São Paulo: Editora Atheneu.2ªed. Cap.18. p.159-176. 2005.
6. INAGAKI A.D.M.; OLIVEIRA L.A.; OLIVEIRA M.F.B.; SANTOS R.C.S.; ARAÚJO R.M.; ALVES J.A.B.; PINHEIRO K.S.; GURGEL R.Q.; PINHATA M.M. Soroprevalência de anticorpos para toxoplasmose, rubéola, citomegalovírus, sífilis e HIV em gestantes sergipanas. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 42(5):532-536, set-out, 2009.
7. MOLINARO, E. M.; CAPUTO, L.F.G; AMENDOEIRA, M.R.RConceitos e métodos para a formação de profissionais em laboratórios de saúde. Rio de Janeiro: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio; Instituto Oswaldo Cruz, 476p. 2012.
8. FIGUEIRÓ-FILHO E.A; SENEFONTE F.R.A; LOPES A.H.A; MORAIS O.O; SOUZA J.V.G; MAIA T.L; DUARTE G. Frequência das infecções pelo HIV-1, rubéola, sífilis, toxoplasmose, citomegalovírus, herpes simples, hepatite B, hepatite C, doença de Chagas e HTLV I/II em gestantes, do estado do Mato Grosso do Sul. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 40(2): 181-187, mar-abr, 2007.
9. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Atenção ao pré-natal de baixo risco– 1ª ed. rev. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, (Cadernos de Atenção Básica, n° 32). 318 p. 2013.
10. NEVES, D.P. Parasitologia Dinâmica. São Paulo: Editora Atheneu. Capítulo 25. pg.177- 188. 2003.
11. ESTÁCIO ENSINO SUPERIOR. Programa do Livro Universitário. Parasitologia Geral - Material extraído de: Parasitologia / Luís Rey – Microbiologia médica à luz de autores contemporâneos / José Júlio Costa Sidrim, Marcos Fábio Gadelha Rocha. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 598p.:il. p.169-183. 2008.
12. REY L. Parasitos e doenças parasitárias do homem nos trópicos ocidentais. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 4ª ed., 2008.
13. CASTILHO-PELLOSO, M.P.; FALAVIGNA, D.L.M.; ARAÚJO, S.M.;FALAVIGNA-GUILHERME, A.L. Monitoramento em gestantes com Toxoplasmose no Serviço Público de Saúde. da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 38(6):532-533, nov-dez, 2005.
14. MARGONATO, F. B.; SILVA, A.M.R.; SOARES, D. A.; AMARAL, D.A.; PETRIS, A. J. Toxoplasmose na gestação: diagnóstico, tratamento e importância de protocolo clínico. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant., Recife, 7 (4): 381-386, out. / dez., 2007.
15. CANTOS, G.A; PRANDO, M.D; SIQUEIRA, M.V; TEIXEIRA R.M. Toxoplasmose: ocorrência de anticorpos anti Toxoplasma gondii e diagnóstico. Revista da Associação Médica Brasileira 46: 335-341. 2000.
Publicado
2016-11-30
Como Citar
SANTOS, Sandra Oliveira. TOXOPLASMOSE ALIMENTAR: DIFERENTES AGRAVOS E DIAGNÓSTICOS. REVISTA CUIDADO EM ENFERMAGEM-CESUCA - ISSN 2447-2913, [S.l.], v. 2, n. 3, p. 1-11, nov. 2016. ISSN 2447-2913. Disponível em: <http://ojs.cesuca.edu.br/index.php/revistaenfermagem/article/view/1042>. Acesso em: 26 jun. 2017.