ROTATIVIDADE E PRÁTICAS DE RECURSOS HUMANOS: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA ABC

  • Bruna Rahde TEIXEIRA CESUCA - Faculdade Inedi
  • Caroline Chagas PRATES CESUCA
  • Juliana SABOIA CESUCA - Faculdade Inedi

Resumo

Altos níveis de rotatividade geram custos significativos à organização, não apenas em termos financeiros. Voltado para esta realidade, este estudo propôs-se a verificar se há relação entre as práticas de Recursos Humanos e o nível de rotatividade de pessoal. Para isto, foi desenvolvida uma pesquisa qualitativa descritiva, através do desenvolvimento de um estudo de caso no Grupo ABC, organização atuante no ramo de agenciamento de cargas nacionais e internacionais. Dentre os resultados, constatou-se que as práticas de RH desenvolvidas na empresa, ainda que necessitem ser mais bem estruturadas, influenciam positivamente na manutenção de um índice de rotatividade de pessoal relativamente baixo. Destaca-se, como ponto positivo, a conduta da empresa em relação aos funcionários, devido à preocupação e ao grande envolvimento pessoal com os colaboradores, que se sentem parte da organização. Como ponto de melhoria, sugere-se a estruturação dos processos de RH, além do mapeamento e definição de procedimentos de trabalho.Palavras-chave: Rotatividade; Práticas de Recursos Humanos; Recursos Humanos.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##
Aluna do curso de Administração do CESUCA 
##submission.authorWithAffiliation##
Mestre em Administração pela UFRGS.Experiência em empresas, na área de administração da produção, há 14 anos.Professora da disciplina de Planejamento e controle da Produção e Gestão Logística no CESUCA.
##submission.authorWithAffiliation##
Profa. Ma. do curso de Administração do CESUCA

Referências

CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de Pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. 3.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.
______. Planejamento, recrutamento e seleção de pessoal: como agregar talentos à empresa. 6.ed. São Paulo: Altas, 2006.
DIEESE. Rotatividade e políticas públicas para o mercado de trabalho. Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Econômicos. São Paulo: DIEESE, 2014.
______. Rotatividade e flexibilidade no mercado de trabalho. Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Econômicos. São Paulo: DIEESE, 2011.
FRANÇA, Ana Cristina Limongi. Práticas de Recursos Humanos – PRH: conceitos, ferramentas e procedimentos. 1.ed. São Paulo: Atlas, 2012.
GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5.ed. São Paulo: Atlas, 2010.
LACOMBE, Francisco José Masset; HEILBORN, Gilberto Luiz José. Recursos Humanos: princípios e tendências. 2.ed. São Paulo: Saraiva, 2011.
LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia científica. 4.ed. São Paulo: Atlas, 2004.
LUCENA, Maria Diva da Salete. Planejamento de Recursos Humanos. 1.ed. São Paulo: Atlas, 1999.
LUZ, Ricardo. Gestão do Clima Organizacional. 1.ed. Rio de Janeiro: Qualitymark: 2003.
MARRAS, Jean Pierre. Administração de recursos humanos: do operacional ao estratégico. 14.ed. São Paulo: Saraiva, 2011.
SNELL, Scott; BOHLANDER, George. Administração de recursos humanos. São Paulo: Cengage Learning, 2010. Trad. 14.ed. norte-americana. Título original: Human Resource Management.
YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4.ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.
Publicado
2015-11-04
Como Citar
TEIXEIRA, Bruna Rahde; PRATES, Caroline Chagas; SABOIA, Juliana. ROTATIVIDADE E PRÁTICAS DE RECURSOS HUMANOS: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA ABC. GESTÃO CONTEMPORÂNEA: REVISTA DE NEGÓCIOS DO CESUCA - ISSN 2446-5771, [S.l.], v. 2, n. 3, nov. 2015. ISSN 2446-5771. Disponível em: <http://ojs.cesuca.edu.br/index.php/revistaadministracao/article/view/877>. Acesso em: 21 ago. 2017.