Mortalidade e perfil clínico-gestacional associados às anomalias congênitas registradas no município de Cachoeirinha

  • Caroline Reis da SILVA Centro Universitário Cesuca
  • Douglas Pereira ELIZANDRO Centro Universitário Cesuca
  • Júlia Nascimento da SILVA Centro Universitário Cesuca
  • Luciane Carvalho GADENZ Centro Universitário Cesuca
  • Gisele Cristina TERTULIANO Centro Universitário Cesuca
  • Thayne Woycinck KOWALSKI Centro Universitário Cesuca

Resumo

As anomalias congênitas podem ser estruturais e/ou funcionais, de causa genética, infecciosa, ambiental ou nutricional. Vigilância e prevenção de anomalias congênitas têm impacto direto na redução da mortalidade infantil. O objetivo desse trabalho foi caracterizar o perfil clínico e gestacional das anomalias congênitas ocorridas no município de Cachoeirinha, comparando os registros dos Sistemas de Informação SIM e SINASC. Foram coletados dados de nascidos com anomalias congênitas, filhos de mães residentes no município de Cachoeirinha, cujos nascimentos ocorreram durante os anos de 2007 a 2017. As variáveis quantitativas foram avaliadas pelo Teste-T ou ANOVA, e as qualitativas pelo teste Qui-Quadrado ou Exato de Fisher. As análises foram realizadas no software SPSS v.20. O projeto foi aprovado no Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário CESUCA, com autorização da Secretaria Municipal de Saúde de Cachoeirinha para coleta dos dados individualizados. As malformações com maior registro no município de Cachoeirinha foram as do sistema osteomuscular, representando 33,2% do total de casos, o que era esperado, pois essas anomalias são frequentemente compatíveis com a vida. Foram 35 ocorrências de nascidos vivos com múltiplas malformações, sendo 21/35 (60%) casos do sexo feminino e 14 casos (40%), no sexo masculino. As limitações desse trabalho incluem dados ignorados na DNV e os recém-nascidos com malformações não registrados no SINASC. Porém, mesmo assim foi possível avaliar o perfil das gestantes, analisando mães cujos partos ocorrem em Porto Alegre tem maior escolaridade, apresentam maior idade e iniciam o pré-natal precocemente. Os nascidos com algum tipo de malformação maior também nasceram mais frequentemente em Porto Alegre, o que provavelmente indica diagnóstico precoce durante o pré-natal e encaminhamento para hospitais especializados. Nosso principal desfecho é que, mesmo havendo homogeneidade do padrão de registro de anomalias congênitas em Cachoeirinha, algumas malformações parecem estar relacionadas ao perfil socioeconômico materno, bem como ao sexo do recém-nascido. 

Publicado
2021-01-12
Como Citar
SILVA, Caroline Reis da et al. Mortalidade e perfil clínico-gestacional associados às anomalias congênitas registradas no município de Cachoeirinha. MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CESUCA - ISSN 2317-5915, [S.l.], n. 14, p. 1-10, jan. 2021. ISSN 2317-5915. Disponível em: <http://ojs.cesuca.edu.br/index.php/mostrac/article/view/1892>. Acesso em: 24 sep. 2021.