Todas as cores são válidas

um estudo das variações patológicas da melanina

  • Matheus Cabeda ANTUNES
  • Thayne Woycinck KOWALSKI

Resumo

Introdução: Infelizmente, no meio social humano, diversos conflitos e exclusões sociais foram desencadeados devido à simples variações de uma proteína codificada por nosso material genético: a melanina. Diversas raças já foram determinadas dentro da humanidade por conta da variação fisiológica dessa proteína, tais como asiáticos, indígenas, negros e caucasianos. Essa variação do tom de pele foi motivo de muitos conflitos, ocasionando preconceito e abusos. No entanto, variações patológicas também existem e são alvos de muita discriminação e violência, havendo desconhecimento coletivo sobre essa prática. Objetivo: Apresentar uma revisão descritiva sobre as variações patológicas de tonalidades em diferentes espécies, a fim de promover educação e conhecimento contra atos de violência causados pelo estigma a essas condições. Métodos: Para a revisão bibliográfica, foram selecionados artigos científicos do Google Acadêmico e dos periódicos Scielo. Resultados: Existem diversos tipos de tonalidades do espectro da luz, sendo nas plantas a variação do verde e outras cores causadas pela clorofila, e nos humanos e animais derivada das variações de produção de melanina, ocasionando tons neutros, mais escuros ou claros. A violência racial é mais comumente conhecida dentro das variações fisiológicas, sendo os caucasianos e os negros os opostos do espectro. No entanto, tal violência mostra-se não exclusiva das raças comumente conhecidas, mas sim de qualquer diferenciação, como o albinismo, sendo esse definido como a inexistência de cor (melanina) na pele, o melanismo como intensa tonalidade da pele por alta produção da proteína. Uma serie de questionamentos, desenvolvidos recentemente em 13 de julho de 2018, dia internacional de conscientização sobre o albinismo, demonstrou o frequente sequestro e assassinato que pessoas albinas sofrem nos dias atuais, e a comercialização das partes e órgãos de tais indivíduos. Conclusões: A educação e o conhecimento são pilares fundamentais para acabar com preconceito e discriminação dentro da espécie humana. A variabilidade é um fenômeno benéfico dentro da genética e evolução humanas. As patologias surgem por pequenas modificações no DNA, e essas pessoas devem ser acolhidas no meio social, e não discriminadas ou violentadas. Há represália contra o diferente, no entanto a melanina é a mesma entre os humanos, independente de qual paleta de cores você pertença.

Publicado
2018-12-17
Como Citar
ANTUNES, Matheus Cabeda; KOWALSKI, Thayne Woycinck. Todas as cores são válidas. MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CESUCA - ISSN 2317-5915, [S.l.], n. 12, p. 60-69, dez. 2018. ISSN 2317-5915. Disponível em: <http://ojs.cesuca.edu.br/index.php/mostrac/article/view/1572>. Acesso em: 19 jan. 2019.