Uma associação entre qualidade de vida e sintomas depressivos considerando sua relação com a espiritualidade

  • Josiane Maliuk dos SANTOS Cesuca
  • Lucianne Jobim VALDÍVIA Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Neusa Sica da ROCHA Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Resumo

Nas últimas décadas tem crescido significativamente o interesse em pesquisas acerca da importância e efeitos da espiritualidade e religiosidade sobre a saúde do indivíduo. A religião promove a socialização, a aquisição de valores e pode também promover saúde mental e qualidade de vida. Há um número considerável de estudos que apontam existir associação entre religiosidade/espiritualidade e saúde. No entanto, poucos são os estudos sobre religiosidade e espiritualidade na infância e adolescência; e investigar fatores que possam prevenir o surgimento de doenças mentais em crianças e adolescentes, promovendo um desenvolvimento saudável, são estratégias com melhor custo-benefício em termos de saúde pública. Nosso objetivo primário consiste em avaliar se há associação entre qualidade de vida e sintomas depressivos em crianças e adolescentes, e então considerar variáveis demográficas, presença de doença crônica e espiritualidade como possíveis confundidores que poderiam estar interferindo nessa associação. Métodos: Amostra de 487 crianças e adolescentes de 9 a 15 anos de escolas pública e privada de Porto Alegre. Foram coletados dados sobre: felicidade, espiritualidade, sintomas depressivos, qualidade de vida e variáveis sociodemográficas. Realizaram-se correlações univariadas entre os fatores demográficos e com as escalas de sintomas depressivos, de espiritualidade e de felicidade e após construiu-se um modelo de regressão hierárquica em blocos: variável dependente - escores da escala de qualidade de vida; variáveis independentes - idade, sexo, religião, ser espiritualizado mas não religioso, sintomas depressivos, domínios da espiritualidade, sintomas depressivos e felicidade. Resultados: Construiu-se dois modelos de regressão hierárquica em blocos com os resultados da amostra com crianças e dos adolescentes. Bloco das variáveis sociodremográficas: variáveis distais em relação à qualidade de vida - sexo, idade, classe social, estrutura familiar, tipo de escola, religião e ser espiritualizado não religioso. Permaneceram significativas as variáveis religião (β= 0.27; p=0,011) e sexo feminino (β= -0,25; p<0.001). Bloco da Espiritualidade: 4 domínios da escala de espiritualidade (pessoal, comunitário, ambiental e transcendência) e doença crônica permanecendo significativo o domínio da espiritualidade comunitária (β= 0,17; p=0,050). Bloco dos Sintomas Depressivos: variáveis proximais - escores das escalas de sintomas depressivos e felicidade. Nesse bloco, apenas a escala de sintomas depressivos mostrou correlação negativa significativa com a variável dependente qualidade de vida (β= -0.55; p˂0,001). O coeficiente de determinação total da regressão foi de R²=42,9%. No modelo de regressão com a amostra de crianças, apenas a escala de sintomas depressivos permaneceu significativa (β= -0,39; p ˂0,001). Os resultados da amostra de adolescentes estão de acordo com os estudos em adultos. A qualidade de vida está positivamente associada com pertencer a uma religião e em especial com o domínio comunitário da escala de espiritualidade, que diz respeito à conexão com valores relacionais (bondade, respeito e generosidade para com os outros). Contudo, é preciso um olhar atento para as meninas que demonstram ter pior qualidade de vida do que meninos e os sintomas depressivos aparecem como sendo o pior desfecho em relação à qualidade de vida.

Publicado
2018-12-17
Como Citar
SANTOS, Josiane Maliuk dos; VALDÍVIA, Lucianne Jobim; ROCHA, Neusa Sica da. Uma associação entre qualidade de vida e sintomas depressivos considerando sua relação com a espiritualidade. MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CESUCA - ISSN 2317-5915, [S.l.], n. 12, p. 358-359, dez. 2018. ISSN 2317-5915. Disponível em: <http://ojs.cesuca.edu.br/index.php/mostrac/article/view/1562>. Acesso em: 23 jul. 2019.