Oficinas sobre violência com adolescentes

um relato de experiência

  • Mailara Germanowicz Zillmann SILVEIRA
  • Márcia E. Wilke FRANCO

Resumo

Este artigo apresenta um relato de experiência de estágio básico em psicologia. Aborda o tema da violência com adolescentes de uma escola municipal de Gravataí, RS. Foram realizadas oficinas para esclarecer sobre os diferentes tipos de violência física, sexual, psicológica e negligência, bem como as leis que protegem a criança e o adolescente. Buscou-se expandir o conhecimento para que os adolescentes participantes pudessem conscientizar-se quanto à responsabilidade de suas ações e omissões, como vítimas ou agressores, inconscientes ou conscientes. Esta experiência desenvolveu-se no segundo semestre de 2016, com 4 turmas do sexto ao nono ano, do turno da tarde, mais especificadamente com 41 alunos, sendo 22 meninas e 19 meninos. As intervenções ocorreram durante os períodos da disciplina de religião, com duração de 1 hora, com 3 intervenções em cada turma, totalizando 12 encontros. O objetivo das intervenções foi conhecer como os adolescentes compreendem a violência, assunto bastante evidenciado nas queixas da rotina escolar. Os alunos puderam expressar-se através de teatro, música, relatos e desenhos, após refletirem e debaterem livremente suas ideias com os colegas. Os resultados mostraram que é possível verificar maior prevalência de violência física, em comparação à violência psicológica, incluindo nesta, tipos de agressões verbais de base preconceituosa, como bullying, racismo e homofobia. Outros tipos de violência, com menor prevalência, são figuras que expressaram atos de negligência ou mesmo o abuso de substâncias. As questões de gênero mostram que na maioria, para meninos e meninas, o sexo masculino é mais evidente nas referências sobre violência. Para as meninas o sexo masculino agride mais fisicamente, do que verbalmente. Comparando a prevalência quanto à representação de papéis do agressor, ambos, meninos e meninas, representam nos desenhos a figura masculina como agressor. Acredita-se que este trabalho possibilitou uma conscientização sobre o tema da violência e também incentivou ações positivas no combate à violência.
Publicado
2017-12-12
Como Citar
SILVEIRA, Mailara Germanowicz Zillmann; FRANCO, Márcia E. Wilke. Oficinas sobre violência com adolescentes. MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CESUCA - ISSN 2317-5915, [S.l.], n. 11, p. 284-300, dez. 2017. ISSN 2317-5915. Disponível em: <http://ojs.cesuca.edu.br/index.php/mostrac/article/view/1376>. Acesso em: 22 abr. 2018.