Recrudescimento da caxumba

  • Gisele Cristina TERTULIANO
  • Michelle Rocha FORTES
  • Luciane Carvalho GADENZ

Resumo

A caxumba é uma doença viral, conhecida também como parotidite e apresenta um período de incubação que varia de duas a três semanas. Os sintomas iniciais são febre, calafrios, dores de cabeça e musculares, dificuldade para mastigar e deglutir, além de uma sensação de fadiga. A doença é caracterizada pelo aumento das glândulas salivares que tornam a região das bochechas com um inchaço característico. Nos casos de maior gravidade a caxumba pode causar surdez e meningite. Após a puberdade, para as pessoas do sexo masculino poderá ocorrer inchaço dos testículos(orquite) e nos ovários (ooforite) para as mulheres. A transmissão é direta, através das gotículas de saliva ou perdigotos de pessoas infectadas. No período de  setembro a dezembro de 2016 em Cachoeirinha, foram registrados 601 casos novos de caxumba  com um coeficiente de incidência de 472,04 casos novos de caxumba para cada 100 mil habitantes, acometendo 302 pessoas do sexo masculino, equivalendo a um total de 50,24% dos infectados. A população que adoeceu pertenceu ao ciclo de vida entre 10 a 19 anos (n=334 casos, totalizando 55,57 %, seguido das pessoas entre 20 e 59 anos totalizando 236 casos, perfazendo 39,26%. A melhor maneira de evitar a caxumba é através da vacinação. Na rotina dos serviços públicos de saúde, a vacina é oferecida a partir dos 12 meses de idade com 1 reforço aos 15 meses. No entanto, para indivíduos até 29 anos indica-se 2 doses da vacina com o componente caxumba e de 30 à 49 anos apenas 1 dose.As medidas de controle adotadas foram a conferência da situação vacinal e a orientação para a vacinação dos contatos dos casos confirmados em seu convívio familiar e/ou social, através de visitas domiciliares e/ou contato telefônico. Foi realizado ainda a intensificação da rotina com a busca constante de indivíduos com esquema vacinal incompleto para a atualização do mesmo. Foi estabelecida a sensibilização da rede de ensino, principalmente das escolas municipais para  que realizassem a notificação dos casos suspeitos, promovendo um papel fundamental na vigilância de rumores.É importante investir em ações educativas e na conscientização da vacinação conforme o calendário por ciclo de vida, enfatizando que para uma doença de transmissão direta o contato com aglomerações desencadeiam surtos  e epidemias que necessitam de  intervenção para o controle efetivo com a participação de todas as fontes notificadoras: serviços, profissionais e comunidade.
Publicado
2017-12-11
Como Citar
TERTULIANO, Gisele Cristina; FORTES, Michelle Rocha; GADENZ, Luciane Carvalho. Recrudescimento da caxumba. MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CESUCA - ISSN 2317-5915, [S.l.], n. 11, p. 436-437, dez. 2017. ISSN 2317-5915. Disponível em: <http://ojs.cesuca.edu.br/index.php/mostrac/article/view/1359>. Acesso em: 20 ago. 2018.