O DIÁLOGO HERMENÊUTICO: A BASE DOS JURISTAS

  • Matheus Pereira SEABRA Estudante na Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Resumo

O presente estudo apresenta uma pesquisa bibliográfica, tendo como foco a argumentação e a “falta do devido aprendizado sobre” –por parte dos alunos-, possuindo o objetivo de justificar a construção do diálogo hermenêutico de Gadamer na graduação do curso de direito para que o aluno tenha uma argumentação mais “sólida” e para que possua o conhecimento necessário do como argumentar, “fugindo”, assim, da historicidade, ir na “contramão” da história que cada vez mais coloca as ciências sociais, o Direito, em um campo dogmático ou lógico formal e justificar que ocorreria, de certa forma, naturalmente, por parte do aluno, um certo desenvolvimento da nova retórica de Perelman e que seu estudo (da nova retórica) seria também de suma importância em sua carreira jurídica, para saber como usar os argumentos “solidificados” pelo diálogo hermenêutico.
Publicado
2016-12-19
Como Citar
SEABRA, Matheus Pereira. O DIÁLOGO HERMENÊUTICO: A BASE DOS JURISTAS. MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CESUCA - 2317-5915, [S.l.], n. 10, p. 107-118, dez. 2016. ISSN 2317-5915. Disponível em: <http://ojs.cesuca.edu.br/index.php/mostrac/article/view/1172>. Acesso em: 19 out. 2017.

Palavras-chave

Diálogo; Argumentação; Auditório