ESTUDO DA LEI DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL ATRAVÉS DO JOGO ORBIT

  • Thomas Bersagui MILANO Faculdade Inedi - Cesuca
  • Mirian Linhares SIQUEIRA Faculdade Inedi - Cesuca
  • Fernanda Chites AZEVEDO Faculdade Inedi - Cesuca
  • Lucas Nunes OGLIARI Faculdade Inedi - Cesuca
  • Eduardo BLANDO Faculdade Inedi - Cesuca
  • Celso Pessanha MACHADO Faculdade Inedi - Cesuca

Resumo

A observação dos céus fascina a humanidade desde seus primórdios, instigando a formulação de perguntas sobre os fenômenos celestes. Primeiramente desenvolveram-se explicações míticas, que foram paulatinamente sendo substituídas por explicações cada vez mais racionais, com a criação de modelos lógicos que modelaram o movimento dos astros. O modelo Ptolomaico, que colocava a Terra no centro do universo, foi aceito durante séculos, e persistiu durante algum tempo, mesmo após a apresentação de inúmeras evidências de que suas definições estavam erradas. Motivações religiosas e políticas atrasaram a evolução do estudo do sistema solar, contudo, a partir de determinado momento histórico, ficou impossível deter o fluxo da ciência, admitindo-se, de acordo com as evidências que um grupo de planetas gira em torno de uma estrela, no caso, o Sol.  As relações de atração, que resultam nas trajetórias dos planetas, foram definidas por Isaac Newton, na Lei da Gravitação Universal, cujo enunciado afirma que a gravidade é diretamente proporcional às massas dos corpos em interação e inversamente proporcional ao quadrado da distância entre eles. O entendimento destas relações pode ser verificado pelo estudo dos planetas ao redor do Sol, todavia, há indícios de que nem sempre os planetas tiveram a disposição atual, pois ao longo do tempo aconteceram mudanças nas órbitas. Até algumas décadas atrás somente equipamentos sofisticados permitiam formular simulações das relações gravitacionais nos sistemas planetários, contudo, a partir do desenvolvimento das tecnologias digitais se permitiu avanços, com a criação de plataformas que ampliaram o uso de aplicativos de simulação. Um desses aplicativos é o Orbit, que possibilita ao usuário criar ambientes que simulam a relação gravitacional entre diversos corpos, partindo da criação de ambientes virtuais nos quais o usuário propõe orbitas para corpos celestes. Este trabalho tem como objetivo apresentar as possibilidades de uso do aplicativo Orbit para estimular o estudo da Lei da Gravitação Universal, e suas consequências no movimento celestial dos astros.

##submission.authorBiography##

##submission.authorWithAffiliation##
A observação dos céus fascina a humanidade desde seus primórdios, instigando a formulação de perguntas sobre os fenômenos celestes. Primeiramente desenvolveram-se explicações míticas, que foram paulatinamente sendo substituídas por explicações cada vez mais racionais, com a criação de modelos lógicos que modelaram o movimento dos astros. O modelo Ptolomaico, que colocava a Terra no centro do universo, foi aceito durante séculos, e persistiu durante algum tempo, mesmo após a apresentação de inúmeras evidências de que suas definições estavam erradas. Motivações religiosas e políticas atrasaram a evolução do estudo do sistema solar, contudo, a partir de determinado momento histórico, ficou impossível deter o fluxo da ciência, admitindo-se, de acordo com as evidências que um grupo de planetas gira em torno de uma estrela, no caso, o Sol.  As relações de atração, que resultam nas trajetórias dos planetas, foram definidas por Isaac Newton, na Lei da Gravitação Universal, cujo enunciado afirma que a gravidade é diretamente proporcional às massas dos corpos em interação e inversamente proporcional ao quadrado da distância entre eles. O entendimento destas relações pode ser verificado pelo estudo dos planetas ao redor do Sol, todavia, há indícios de que nem sempre os planetas tiveram a disposição atual, pois ao longo do tempo aconteceram mudanças nas órbitas. Até algumas décadas atrás somente equipamentos sofisticados permitiam formular simulações das relações gravitacionais nos sistemas planetários, contudo, a partir do desenvolvimento das tecnologias digitais se permitiu avanços, com a criação de plataformas que ampliaram o uso de aplicativos de simulação. Um desses aplicativos é o Orbit, que possibilita ao usuário criar ambientes que simulam a relação gravitacional entre diversos corpos, partindo da criação de ambientes virtuais nos quais o usuário propõe orbitas para corpos celestes. Este trabalho tem como objetivo apresentar as possibilidades de uso do aplicativo Orbit para estimular o estudo da Lei da Gravitação Universal, e suas consequências no movimento celestial dos astros.
Publicado
2016-12-19
Como Citar
MILANO, Thomas Bersagui et al. ESTUDO DA LEI DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL ATRAVÉS DO JOGO ORBIT. MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CESUCA - 2317-5915, [S.l.], n. 10, p. 593-595, dez. 2016. ISSN 2317-5915. Disponível em: <http://ojs.cesuca.edu.br/index.php/mostrac/article/view/1140>. Acesso em: 22 jun. 2017.

Palavras-chave

Orbit; Gravidade; Lei da Gravitação Universal