O USO DE GAMES NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA

  • Rafael MILITÃO Faculdade Inedi - CESUCA
  • Renan FREITAS Faculdade Inedi - CESUCA
  • Roberta SALVADOR Faculdade Inedi - CESUCA

Resumo

O crescimento do ensino à distância tem intensificado o uso de ambientes virtuais de aprendizagem. Esses ambientes são ferramentas fundamentais para os cursos realizados nesse âmbito. Como os alunos passam por algumas dificuldades na interação nessas plataformas de ensino, e as propostas que visam motivar os alunos e qualificar o processo ensino-aprendizagem não tem sido satisfatórias, imprescindível se faz a criação de ferramentas que possibilitem o desenvolvimento e a potencialização das habilidades e da capacidade do corpo discente. Nesse caso, destaca-se o uso de games na promoção de um ensino mais interativo, produtivo e qualificado no modo à distância. O objetivo deste trabalho é apontar a importância do uso de métodos alternativos como ferramentas capazes de atrair o aluno e promover o seu desenvolvimento cognitivo, como a interação através do uso dos games, estimulando a aprendizagem virtual e otimizando o ensino-aprendizagem realizado virtualmente. Palavras-chave: Ensino-aprendizagem. Jogos. Educação à distância.

Referências

ALVES, Lynn; GUIMARÃES, Helio; OLIVEIRA, Gildeon; RETTORI, Annelisse. Ensino On-Line, jogos eletrônicos e RPG: Construindo novas lógicas. Conferência eLES, v. 4, p. 49-58, 2004.

BEE, Helen; BOYD, Denise. A criança em desenvolvimento. Porto Alegre: Artmed, 2011.

BITTENCOURT, João Ricardo; GIRAFFA, Lucia Maria. Modelando Ambientes de Aprendizagem Virtuais utilizando Role-Playing Games. XIV Simpósio Brasileiro de Informática na Educação. Porto Alegre, Brasil, 2003.

CARVALHO, Fabricia; HAGUENAUER, Cristina; VICTORINA, Ana Lucia. Utilização de Jogos Interativos no Ensino a Distância via Internet. Laboratório de Pesquisa em Tecnologias da Informação e da Comunicação. Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2005.

CARVALHO, Ana Beatriz. Etnografia Digital na Educação a Distância e Usos de Jogos Eletrônicos no Processo de Ensino e Aprendizagem. In: III Seminário Jogos Eletrônicos, Educação e Comunicação – Construindo Novas Trilhas, Campina Grande, 2006.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 1970.

HAGUENAUER, Cristina. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Brasil, 1996.

Mattar, J. Web 2.0 e redes sociais na educação a distância: cases no Brasil. Revista digital La Educación, v. 145, p 143-156, 2011.

MASSENSINI, Ariana Ramos; SOARES-JUNIOR, Celso Pinto; SILVA, Joseane. Estratégias De Jogos Na Ead: Uma Proposta para as Disciplinas de Sociologia e Filosofia do Ensino Médio. Departamento Regional de Goiás, SESI/SENAI. Goiás, Brasil, 2011.

REIS, Paula Carolina; COSTA, Josiane Andréia; SILVEIRA, Sidnei Renato. Jogo educativo digital para estimular o processo de aprendizagem do desenho como prática projetual. Porto alegre, 2010.

RIVERO, Thiago, et al. Videogame: seu impacto na atenção, percepção e funções executivas. Revista Neuropsicologia Latinoamericana. v. 4, n. 3. p. 38­52, 2012.

ROCHA, Patricia; NERY, Jesse; ALVES, Lynn. Jogos digitais e reabilitação neuropsicológica: delineando novas mídias. Anais do Seminário Tecnologias Aplicadas a Educação e Saúde, 1(1), p. 132-145, 2014.

ROSA, Mauricio. A Construção de Identidades online por meio do Role Playing Game: relações com o ensino e aprendizagem de matemática em um curso à distância. Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, São Paulo, 2008.
Publicado
2015-10-02
Como Citar
MILITÃO, Rafael; FREITAS, Renan; SALVADOR, Roberta. O USO DE GAMES NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA. REVISTA CESUCA VIRTUAL: CONHECIMENTO SEM FRONTEIRAS - ISSN 2318-4221, [S.l.], v. 2, n. 4, p. 83-92, out. 2015. ISSN 2318-4221. Disponível em: <http://ojs.cesuca.edu.br/index.php/cesucavirtual/article/view/955>. Acesso em: 24 ago. 2017.